Começou agora a Feira de Troca de Sementes Crioulas no congresso latino-americano de agroecologia.

“Sejam bem vindos, guardiões da agrobiodiversidade!”, anunciou Terezinha Dias, pesquisadora da Embrapa.

“Participam da feira agricultores familiares, indígenas e povos tradicionais. Essas são as sementes da resistência. Semente crioula é identidade, cada uma conta a história de um povo”, destacou Antonio Brabosa, coordenador do programa de sementes do semiárido da ASA (Articulação do Semiárido).

A abertura foi encerrada com a fala do líder indígena Batista Krahô, em língua original, agradecendo o evento e a troca de saberes.

O guardião de semente Josué Faustino de Souza, artesão e agroextrativista da Chapada dos Veadeiros, afirmou: “Não sou contra o desenvolvimento, sou contra o desenvolvimento que destrói a vida”.

Amanhã, 14/09, a troca de sementes continua.

Na sexta-feira, às 14h, no auditório ipê amarelo, acontecerá a premiação para os guardiões que trouxeram a maior variedade de sementes. O troféu é uma cabaça pintada por voluntários do congresso.